Pular para o conteúdo principal

CASA DE TERRA CAIUÁS




Foto: Casa de Terra Caiuás-MS
   A CASA DE TERRA CAIUÁS localizada na faz. cAIUÁS, é um projeto piloto, uma obra pioneira de construção com terra no Estado de Mato Grosso do Sul. 

   IDEALIZADA pela arquiteta Ana Carolina Veraldo, essa casa foi produzida com uma técnica construtiva , chamada TAIPA-DE-PILÃO


    


Experiências profissionais com arquitetura de terra evidenciaram preconceitos sociais referentes ao uso da terra como material construtivo, já que as lembranças eram as antigas casas de pau-a-pique, que traziam imagens associadas à penúria e insalubridade. São recorrentes os questionamentos: – "Não desmancha com a chuva?" "Não atrai barbeiro?" "São mais econômicas?"


Na atualidade e no meio acadêmico, a  técnica construtiva recebe a denominação de painéis monolíticos de solo-cimento, pois alia técnicas  antigas com tecnologias contemporâneas na produção de paredes maciças de terra compactada, com qualidades estruturais e potencialidades sustentáveis.
A idéia de construir com terra veio da necessidade de colocar em prática as pesquisas que realizei e conhecimentos adquiridos ao longo de minha carreira profissional e também de demonstrar que é possível construir uma casa de terra que dialoga com desenhos e materiais contemporâneos, atendendo as necessidades de conforto, economia e  saúde dos usuários.




HISTÓRICO

Casario em taipa-de-pilão em Santana do Parnaíba-SP
Acredita-se que o uso da terra crua como matéria prima para construções seja empregado desde tempos imemoriais no Oriente e na África.   

A técnica da taipa-de-pilão foi introduzida no Brasil pelos Portugueses e largamente utilizada no período colonial, sobretudo na região sudeste, porém, acredita-se que os nativos locais, os índios brasileiros, e os nativos africanos que aqui chegaram como escravos já dominavam as técnicas do pau-a-pique e taipa de pilão.                                      
Construção em terra crua no Marrocos
                                                                                Incombustível e isolante térmico por natureza a taipa foi empregue na arquitetura de fortificações por diversos povos desde a idade antiga, destacando-se a China, que a utilizou em extensos  trechos da muralha da china e a cultura islâmica, em particular na região de Algarve, tendo sido os Mouros os responsáveis pela sua introdução na península ibérica.
O século XIX introduziu processos industriais, que contribuíram para o desenvolvimento de diversos segmentos relacionados à transformação de matérias primas em manufaturados, que resultaram no surgimento de materiais hoje largamente utilizados. 
Edificações construídas com terra
O uso de tecnologia na construção civil fez com que os processos artesanais em pauta até então, aos poucos, fossem desaparecendo, sendo substituídos por materiais e procedimentos que em pouco tempo se transformaram em "unanimidade". Como esse processo de modernização iniciou-se nos chamados países desenvolvidos, nem sempre tais produtos, frutos dessa "revolução", se adaptavam às realidades do terceiro mundo, sobretudo as de aspecto climáticas, culturais e sociais, fatos esses raramente debatidos na profundidade necessária, tampouco estudada científicamente.

Os antigos souberam como explorar as boas propriedades da terra e utilizá-la em belíssimas construções, muitas das quais sobreviveram até a atualidade, desafiando séculos da ação abrasiva de ventos e chuva.
 Rammed earth - Taipa-de-pilão
O aprimoramento do manejo e uso de equipamentos vem possibilitando construções modernas em taipa em vários países, como EUA, Alemanha, Áustrália, Nova Zelândia, Chile.

A simplicidade, o baixo-custo e resistência (desde que bem isolada da água), faz com que seja aplicada em diversas regiões do Brasil, principalmente regiões de clima quente.



O PROCESSO CONSTRUTIVO 


CASA DE TERRA CAIUÁS
Processo construtivo


A tecnologia empregada na construçào de painéis monolíticos de solo-cimento, muito parecida com a técnica antiga  da TAIPA DE PILÃO consiste em  comprimir a terra em fôrmas de madeira (taipais), em camadas de aproximadamente 20cm de altura, até o seu preenchimento.
A desmoldagem é feita em seguida e o material apiloado.      

O ideal é trabalhar com dois pares de fôrmas para  que haja um maior rendimento da obra. 
CASA DE TERRA CAIUÁS
Processo construtivo
A mistura dos materiais pode ser manual ou mecânica, nesta casa optamos pela mistura manual devido as alterações de umidade do nosso solo (chuvas constantes) . Para executá-la tivemos que misturar uma parte de solo peneirado e destorroado (78%), outra de areia (16%) e 6% de cimento. Se necessário coloca-se água as poucos, até obter uma mistura com a umidade adequada. 
CASA DE TERRA CAIUÁS
Processo construtivo

 A verificação da umidade da mistura é feita pelo teste do bolo, que consiste em tomar um punhado da mistura e apertá-la entre os dedos e a palma da mão: ao abrir a mão o bolo deverá ter a marca deixada pelos dedos; deixando-se cair o bolo de uma altura de 1m sobre um superfície dura, ele deverá esfarelar-se, ou quebrar em dois pedaços. Caso não ocorra isso você exagerou na água.

CASA DE TERRA CAIUÁS
Processo construtivo
A seleção do solo adequado é importantíssimo para a qualidade da taipa. A técnica não é adequada para solos argilosos ou solos com muita matéria orgânica.

Alguns cuidados devem ser levados em consideração na elaboração do projeto arquitetônico, cito aqui apenas três:

- o projeto deverá ser modulado de acordo com o comprimento das fôrmas de madeira;

CASA DE TERRA CAIUÁS
Processo construtivo
- a largura das paredes deve ser definida de acordo com a altura (índice de esbeltez);
- As instalações elétricas  poderão ser embutidas nas paredes durante a compactação, por isso é importante defini-las no projeto. 

 As paredes não necessitam de chapisco,   emboço e reboco devido ao acabamento liso do solo-cimento compactado. Pode-se aplicar uma tinta natural diretamente na superfície.



CASA DE TERRA CAIUÁS
O processo construtivo de uma casa de terra não gera entulhos, nem desperdício de materiais. As paredes de terra possuem qualidades térmicas, são orgânica, pois se integram ao natural, são acolhedoras e sólidas.  

















Postagens mais visitadas deste blog

SACOS DE TERRA

por Ana Veraldo

Casa de Terra Guarani
A técnica construtiva  consiste resumidamente em encher sacos de rafia com terra, formando um longo tijolo de terra compactada, dispostos em camadas interligadas por fios de aramefarpado. Este conceitofoi originalmente apresentadopelo arquitetoNaderKhaliliparaa Nasa, destinada a construção dehabitatsna Lua eMarte (www. calearth.org). Estudos desenvolvidos neste instituto demonstram que a técnica pode resistir a furacões e dilúvios e ainda resistir ao fogo. O sistema permite a produção de arcos estruturais, cúpulas e abóbadas ou formas retilíneas.




Cord Wood

Cord wood (tocos de madeira) é o termo usado para uma método de construção natural onde são utilizados tocos de madeira intercalados com massa à base de terra para a construção de paredes.
Para a construção, deve-se tirar a casca, cortá-los no tamanho adequado (largura da parede) e depois assentá-los com a massa feita basicamente de terra, água, pó de serra e algum estabilizante (palha, cimento ou cal), dependendo do tipo de solo. Quanto maior o diâmetro do toco, mais bonita fica a parede.  
Na Casa de Terra experimentei esta técnica nos vãos que ficaram entre as paredes de taipa e a cobertura, com tocos de angico. A técnica é bem artesanal e gostei do resultado.







CONSTRUÇÃO TRADICIONAL INDÍGENA

compartilhando ...Indígena xinguano, Maniwa Kamayurá, ensina alunos de arquitetura da UnB.Maniwa Kamayurá, representante dos povos indígenas do Alto Xingu, especialista em construção da residência tradicional kamayurá, foi o último mestre da disciplina Artes e Ofícios dos Saberes Tradicionais, do projeto Encontro de Saberes, promovido pela Universidade de Brasília (UnB) em parceria com a SID/MinC. Maniwa foi acompanhado pelo professor de arquitetura da universidade, Jaime Almeida e construiu, junto com os alunos, uma maquete das casas que está habituado a fazer.
A maquete construída tem 2m x 0,5m, uma casa original tem em média 10m x 40m e abriga cerca de 30 pessoas. Produzida com materiais orgânicos – madeira e fibras – é feita praticamente a mão, com pouquíssimas ferramentas, dura de 15 a 20 anos e leva cerca de sete meses para ser construída. Maniwa e seu filho Wali passaram mais de duas semanas em Brasília com os alunos da UnB. O mestre explica que a casa é uma pessoa, s…