Pular para o conteúdo principal

OFICINAS de sensibilização


por Ana Carolina Veraldo 

Durante o curso de Planejamento em Permacultura (PDC) realizado pelo Instituto Quinta do Sol (Corguinho-Taboco-MS) em fevereiro de 2012, em parceria com o IPCP-Instituto de Permacultura Cerrado-Pantanal, ministrei as oficinas práticas de cord wood, taipa-de-pilão e tintas de terra.
Para quem ainda não conhece o PDC é uma vivência integral de doze (12) dias imersos nos princípios e éticas da permacultura, na convivência com a natureza e no trabalho em grupo, onde se desenvolve uma forma sistêmica de pensar e planejar sítios mais ecológicos.
São alguns assuntos abordados e vivenciados: sistemas agro-florestais, padrões naturais, energias renováveis, água, saneamento ecológico, bio-construção, elementos do design em permacultura, sistema de trocas e partilhas, alimentação saudável, ecovilas, dentre outros.









Comentários

  1. Denyze Carneiro20 março, 2012 14:58

    Maravilhso foi tudo, mas o divino foi a aprendizagem de amar cada diamente que participou direta e indiretamente. Sem palavras para definir o indefinivel...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SACOS DE TERRA

por Ana Veraldo

Casa de Terra Guarani
A técnica construtiva  consiste resumidamente em encher sacos de rafia com terra, formando um longo tijolo de terra compactada, dispostos em camadas interligadas por fios de aramefarpado. Este conceitofoi originalmente apresentadopelo arquitetoNaderKhaliliparaa Nasa, destinada a construção dehabitatsna Lua eMarte (www. calearth.org). Estudos desenvolvidos neste instituto demonstram que a técnica pode resistir a furacões e dilúvios e ainda resistir ao fogo. O sistema permite a produção de arcos estruturais, cúpulas e abóbadas ou formas retilíneas.




Cord Wood

Cord wood (tocos de madeira) é o termo usado para uma método de construção natural onde são utilizados tocos de madeira intercalados com massa à base de terra para a construção de paredes.
Para a construção, deve-se tirar a casca, cortá-los no tamanho adequado (largura da parede) e depois assentá-los com a massa feita basicamente de terra, água, pó de serra e algum estabilizante (palha, cimento ou cal), dependendo do tipo de solo. Quanto maior o diâmetro do toco, mais bonita fica a parede.  
Na Casa de Terra experimentei esta técnica nos vãos que ficaram entre as paredes de taipa e a cobertura, com tocos de angico. A técnica é bem artesanal e gostei do resultado.







CONSTRUÇÃO TRADICIONAL INDÍGENA

compartilhando ...Indígena xinguano, Maniwa Kamayurá, ensina alunos de arquitetura da UnB.Maniwa Kamayurá, representante dos povos indígenas do Alto Xingu, especialista em construção da residência tradicional kamayurá, foi o último mestre da disciplina Artes e Ofícios dos Saberes Tradicionais, do projeto Encontro de Saberes, promovido pela Universidade de Brasília (UnB) em parceria com a SID/MinC. Maniwa foi acompanhado pelo professor de arquitetura da universidade, Jaime Almeida e construiu, junto com os alunos, uma maquete das casas que está habituado a fazer.
A maquete construída tem 2m x 0,5m, uma casa original tem em média 10m x 40m e abriga cerca de 30 pessoas. Produzida com materiais orgânicos – madeira e fibras – é feita praticamente a mão, com pouquíssimas ferramentas, dura de 15 a 20 anos e leva cerca de sete meses para ser construída. Maniwa e seu filho Wali passaram mais de duas semanas em Brasília com os alunos da UnB. O mestre explica que a casa é uma pessoa, s…